Quem sou eu?

Esta frase do célebre Martin Luther King, em minha opinião, tem tudo a ver com empreendedorismo e com a forma com que as pessoas e empresas deve nortear suas ações:

Eu não sou quem gostaria de ser;

Eu não sou quem eu deveria ser;

Ainda não sou quem deveria ser, mas graças a Deus, eu não sou mais quem eu era.

Martin Luther King

Anúncios

O valor da iniciativa

Esta é uma historia sobre quatro pessoas:Todo Mundo, Alguém, Qualquer Um e Ninguém. Havia um grande trabalho a ser feito e Todo Mundo tinha certeza que Alguém o faria.Qualquer Um poderia tê-lo feito, mas Ninguém o fez. Alguém  se zangou porque era um trabalho de Todo Mundo.Todo Mundo pensou que Qualquer Um poderia fazê-lo, mas Ninguém imaginou que Todo Mundo deixa-se de fazê-lo.Ao final, Todo Mundo culpou Alguém  quando Ninguém fez o que Qualquer Um poderia ter feito. Mesmo com o risco de uma decisão errada, é importante tomar a iniciativa.Errar ou acertar é o risco de quem tem iniciativa, contudo a ação jamais ocorrerá se alguém não a iniciar.

Tipos de pessoas

Existem 4 tipos de pessoas:   a que ignora a necessidade de mudar;
 a que aceita  a necessidade de mudar mas tentar manter o status;
3° o que aceita mudar, mas não vê como;
4° a que aceita que o momento atual é o mais importante da historia para fazer todas as transformações necessárias. O primeiro é atropelado pela mudança.
O segundo tenta viver no passado dos tempos dourados.
O terceiro tenta permanecer sem perspectiva
O quarto abre as portas do horizonte.   

Acreditar e Agir

Um viajante caminhava pelas margens de um grande lago de águas cristalinas e imaginava uma forma de chegar até o outro lado, onde era seu destino.Suspirou profundamente enquanto tentava fixar o olhar no horizonte. A voz de um homem de cabelos branco quebrou o silêncio momentâneo, oferecendo-se para transportá-lo. Era um barqueiro.O pequeno barco envelhecido, no qual a travessia seria realizada, era provido de dois remos de madeira de carvalho. O viajante olhou detidamente e percebeu o que apareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés empoeirados dentro do barco, observou que eram mesmo duas palavras. Num dos remos estava entalhada a palavra acreditar e no outro, agir.Não podendo conter a curiosidade, perguntou a razão daqueles nomes originais dados aos remos. O barqueiro pegou o remo, no qual estava escrito acreditar, e remou com toda força. O barco então começou a dar voltas sem sair do lugar que estava. Em seguida pegou o remo em que estava escrito agir e remou com todo vigor. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir a diante.Finalmente, o velho barqueiro, segurando os dois remos, movimentou-os ao mesmo remo, impulsionando por ambos os remos, navegou através das águas do lago, chegando calmamente à outra margem.Então o barqueiro disse ao viajante:– Este barco pode ser chamado de autoconfiança. E a margem é a meta que desejamos atingir. A confiança em nossa capacidade, para atingir nossas metas, está alicerçada em primeiro acreditar, segundo agir.Para que o barco da autoconfiança navegue seguro e alcance a meta pretendida, é preciso que utilizem os dois remos ao mesmo tempo e com a mesma intensidade.

O Bambu Chinês

Depois de plantar a semente deste incrível arbusto, não se vê mais nada, absolutamente nada, por 4 anos – excerto o lento desabrocha de um diminuto broto, a partir do bulbo.Durante 4 anos, todo o crescimento é subterrâneo, numa maciça e fibrosa estrutura de raízes, que se estende vertical e horizontalmente pela terra.Mas, então, no quinto ano, o bambu chinês cresce, até atingir 24 metros.Covey escreveu: “Muitas coisa na vida (pessoal e profissional) são iguais ao bambu chinês”.Você trabalha, investe tempo e esforço, faz tudo que pode para nutrir seu crescimento, e às vezes não se vê nada por semanas, meses, ou mesmo anos. Mas, se tiver paciência para continuar trabalhando e nutrindo, o “quinto ano” chegará e o crescimento e a mudança que se processarão o deixarão surpresos e felizes. O Bambu Chinês mostra que não podemos desistir fácil das coisas. Em nosso trabalho especialmente projetos que envolvem mudanças de comportamento, cultura e sensibilidade para ações novas, devemos nos lembrar do bambu chinês para não desistimos fácil frente às dificuldades que são muitas.

O Fruto da Persistência

Um homem investe tudo o que tem numa pequena oficina. Trabalha dia e noite, inclusive dormindo na própria oficina. Para poder continuar nos negócios, empenha as jóias da esposa. Quando apresentou o resultado final de seu trabalho a uma grande empresa, disseram-lhe que seu produto não atendia ao padrão de qualidade exigido. O homem desiste?Não volta a escola por mais dois anos, sendo vitima da maior gozação dos seus colegas e de alguns professores que o chamavam de “visionário”. O homem desanimava? Não!Após dois anos, a empresa que o recusou finalmente fecha contrato com ele.Durante a guerra, sua fábrica é bombardeada duas vezes, sendo que grande parte dela é destruída. O homem se desespera e desiste? Não! Reconstrói sua fabrica, mas um terremoto novamente a arrasa. Essa é gota d’água e o homem desiste? Não!Imediatamente após a guerra segue-se uma grande escassez de gasolina em todo o país e este homem não pode sair de automóvel nem para comprar comida para a família. Ele entra em pânico e desiste? Não! Criativo ele adapta um pequeno motor à sua bicicleta e sai as ruas. Os vizinhos ficam maravilhados e todos querem também as chamadas “bicicletas motorizadas”.A demanda por motores aumenta muito e logo ele fica sem mercadoria. Decide então montar uma fabrica para essa novíssima invenção. Como não tem capital, resolve pedir ajuda para mais quinze mil lojas espalhadas pelo país. Como a idéia é boa, consegue apoio de mais ou menos cinco mil lojas, que lhe adiantam o capital necessário para a indústria.Encurtando a historia: Hoje a Honda Corporation é um dos maiores impérios da indústria automobilística japonesa, conhecida e respeitada no mundo inteiro. Todo porque o Sr. Soichiro Honda, seu fundador, não se deixou abater Pelos terríveis obstáculos que encontrou pela frente. Se você, como infelizmente tem acontecido com muitas pessoas, adquiriu o hábito de viver reclamando e lamentado, experimente seguir sempre em frente, na busca dos objetivos sempre!

Ponto de vista

Era uma vez uma indústria de calçados que desenvolveu um projeto de exportação de sapatos para a Índia. Em seguida, mandou dois de seus consultores a pontos diferentes do país para fazer as primeiras observações do potencial daquele futuro mercado.Depois de alguns dias de pesquisa, um dos consultores enviou o seguinte e-mail para a direção da indústria:“Senhores, cancelem o projeto de exportação de sapatos para a Índia.Aqui ninguém usa sapatos”.Sem saber desse e-mail, alguns dias depois, o segundo consultor mandou o seu:“Senhores, tripliquem o projeto da exportação de sapatos para a Índia. Aqui ninguém usa sapatos, ainda…”. Moral da história: O obstáculo era o mesmo para ambos. Tudo na vida pode ser visto com enfoques e de maneiras diferentes. A maneira como você encara a vida faz TODA a diferença.